Côte d’Azur: Cannes e Antibes em um dia

por

Meu roteiro de cinco dias pela Côte d’Azur, conforme eu detalhei no post Côte d’Azur: dicas para conhecer Nice e a região, contemplou várias viagens de um dia. Depois de curtir Nice propriamente dita e St. Paul de Vence, Antibes e Cannes vieram em seguida. A primeira está a cerca de 20 minutos de trem de Nice e em mais 15 minutos se chega à segunda. Portanto, planejando bem o seu dia, é perfeitamente possível combinar um passeio por ambas as cidades.

Os trens para Antibes e Cannes saem da estação central de trens de Nice (Nice-Ville) a cada 15 ou 30 minutos, dependendo do tipo de trem e do dia da semana. Para ir, você deve pegar a linha Ventimiglia – Mandelieu via Nice, Cannes e Grasse. Já na volta, o trajeto Mandelieu – Ventimiglia via Grasse, Cannes e Nice. Para mais informações acesse a página da SNCF, a companhia francesa de trens.

Os bilhetes são comprados nas próprias estações, em máquinas automáticas, acessíveis também em inglês. Mas mesmo assim é comum a fila de turistas que se forma em frente a elas tentando comprar as passagens. Em caso de dúvida, vale chamar um funcionário da estação para ajudar. Na Côte d’Azur é mais fácil se comunicar em inglês do que em Paris. Outra coisa: se for pagar os tickets em dinheiro, tenha sempre moedas em mãos. Essas máquinas não aceitam cédulas, apenas moedas e cartões de crédito.

Máquinas para compras de bilhetes em Nice-Ville Foto: Anchieta Dantas Jr.

Se necessitar pagar em cédulas, você terá que esperar para ser atendido nos escritórios da SNCF existentes em cada estação, e isso geralmente envolve certo tempo de espera.

De Nice-Ville a Antibes, eu paguei 4,60 euros pela passagem. Já de Antibe a Cannes, apenas 3 euros. Na volta de Cannes para Nice-Ville o trajeto me custou 7 euros. Ou seja, por apenas 14,60 euros foi possível visitar esses dois destinos da Côte d’Azur.

O que ver e fazer em Antibes

Para aproveitar bem o passeio, tomei o trem das 9h02, chegando a Antibes antes das 9h30. Esta pequena cidade é linda e data do período medieval. Tem como principais atrações, além dos graciosos becos e ruas, uma marina (repleta de iates), a antiga muralha que a cerca, um mercado provençal e, por fim, o Museu Picasso.

Antes de deixar a estação, recomendo consultar os horários dos trens, a fim de que você possa programar a visita à cidade com tempo de curtir Cannes no período da tarde.

Depois, é só descer ladeira lateral até o porto, virando em seguida à direita. Daí é só seguir as placas aonde vai estar escrito “Vieille Ville” (Cidade Velha). Mas não custa nada dar uma paradinha na ida ou na volta para tirar fotos na marina.

Quando você chegar ao fim do calçadão que margeia o velho porto vai se deparar, à sua direita, com entrada principal da Cidade Velha. Passe pelos arcos da muralha e inicie a sua visita.

A partir desse ponto, é só vagar pelas ruas e becos, descobrindo cada cantinho de Antibes. Demore-se um tempo no Mercado Provençal, um espaço coberto na Cours Masséna, a rua principal da cidade velha. Ele fica aberto todos os dias, das 6h às 13h, e vale o passeio: tem ervas, especiarias, azeitonas, frutas, queijos, geleias e mais um bocado de produtos frescos. Aproveite para fazer um lanche, se desejar. Como não é grande, cerca de 30 minutos são suficientes para desfrutar do local.

Mercado Provençal de Antibes Foto: Anchieta Dantas Jr.

Mercado Provençal de Antibes Foto: Anchieta Dantas Jr.

Especiarias vendidas no Mercado Provençal de Antibes Foto: Anchieta Dantas Jr.

Embutidos Foto: José Anchieta Dantas Jr.

Queijos Foto: Anchieta Dantas Jr.

Do mercado, continue caminhando pelas ruelas até chegar no Chateau Grimaldi (Castelo Grimaldi), um castelo do século XVI que, hoje, abriga o Museu Picasso. O local é aberto de terça a domingo das 10h às 12h e das 14h às 18h. A entrada custa 7 euros. Eu resolvi não entrar, pois já tinha ido em museus dedicados a ele em Málaga e Barcelona, por exemplo.

Chateau Grimaldi e o Museu Picasso Foto: Anchieta Dantas Jr.

Orla de Antibes Foto: Anchieta Dantas Jr.

No entanto, o castelo medieval é bonito, assim como o que está ao arredor e a orla em frente, com uma vista estonteante do mar. Ali perto fica também a Catedral de Antibes, que você provavelmente vai encontrar se sair batendo perna pelas ruas e becos como eu fiz.

Cidade Velha em Antibes Foto: Anchieta Dantas Jr.

Catedral de Antibes Foto: Anchieta Dantas Jr.

As charmosas ruas da Cidade Velha de Antibes Foto: Anchieta Dantas Jr.

Para mais informações sobre a cidade você pode acessar o site oficial de turismo local. Cerca de duas horas e meia foram suficientes para curtir Antibes e seguir, então, para Cannes.

O que ver e fazer em Cannes

De volta à estação, tomei o trem das 13h02 para Cannes, chegando lá às 13h20 aproximadamente. Esta cidade é muito famosa pelo seu Festival de Cinema, que acontece no mês de maio. Exibe ainda muitas lojas de grifes de luxo e uma orla bem agradável para passear.

Saindo da estação, é só atravessar a rua e começar a admirar as butiques. Pegue a Rue d’Antibes até chegar ao Boulevard de la Croisette, uma avenida à beira-mar acompanhada de extenso calçadão, onde está o porto velho e, logo ao lado, o Palais des Festival et des Congrès, que abriga o Festival de Cinema de Cannes.

Porto Velho de Cannes Foto: Anchieta Dantas Jr.

Para não se decepcionar, como aconteceu comigo, não espere encontrar nada demais em relação ao palácio. Trata-se de um prédio enorme, de arquitetura moderna, que abriga um cassino e o espaço para os eventos. Assemelha-se a um centro de convenções como outro qualquer. O acesso ao local só é permitido se você estiver participando de algum congresso ou for convidado para os eventos que ali ocorrem.

Palais des Festival et des Congrès Foto: Anchieta Dantas Jr.

Palais des Festival et des Congrès Foto: Anchieta Dantas Jr.

Nesse mesmo prédio, ao lado da escadaria, no térreo, fica um centro de apoio ao turista, onde é possível acessar a internet gratuitamente, via wi-fi. Fica a dica!

Com o Palácio à sua esquerda, caminhe para a direita pelo calçadão, passado pelo porto, apinhado de iates, e suba no Le Suquet, um morro, na cidade velha de Cannes, com uma bela vista da cidade. Apesar do esforço, o visual compensa. Lá em cima, não deixe de conferir os vestígios do Chateau de Lerins (Castelo de Lerins) e da Chapelle de Sainte-Anne (Capela de Santa Ana).

Cidade Antiga de Cannes Foto: Anchieta Dantas Jr.

Cidade Antiga de Cannes Foto: Anchieta Dantas Jr.

Vista de Cannes desde Le Suquet Foto: Anchieta Dantas Jr.

Depois, desça o morro e retorne pelo mesmo caminho, passado novamente pelo Palais des Festival, até chegar do outro lado do Boulevard de la Croisette, onde você vai encontrar as praias públicas  de Cannes. Um bom lugar para esperar o sol se pôr, se assim o desejar.

Praia pública em Cannes Foto: Anchieta Dantas Jr.

Boulevard de la Croisette e suas lojas de grife Foto: Anchieta Dantas Jr.

Se bater a fome, os restaurantes no entorno da estação de trem são os que oferecem o melhor custo-benefício. Depois de aproximadamente duas horas e meia caminhando pela cidade, retornei a essa região e comi uma farta porção de mexilhões acompanhada de batatas fritas e duas taças de vinho por 20 euros.

A porção de mexilhões é uma poa pedida para um refeição Foto: Anchieta Dantas Jr.

Após a refeição tomei o trem das 17h08, chegando em Nice por volta das 17h45.

Leia mais sobre a Cotê d’ Azur:

Côte d’Azur: dicas para conhecer Nice e a região

Saint-Paul de Vence: a Côte d’Azur além dos balneários

Roteiro de um dia em Saint-Tropez

De Nice a Mônaco, com parada em Eze

 

Sem comentários

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *