14 passos para uma viagem bem-sucedida

por

Há poucos dias, me perguntaram se as pessoas sabem fazer turismo. E mais: quais os maiores pecados que se pode cometer ao programar uma viagem. Quem me conhece, sabe da larga experiência que tenho nessa área. Afinal, já foram mais de 40 países e 100 cidades visitadas, procurando viver ao máximo cada um desses lugares. E para mim (acredito que para você também), viajar sempre foi sinônimo de relaxamento e diversão.

Porém, vez por outra, eu encontro pessoas que falam que determinada viagem não foi tão boa assim e daí começam a relatar uma série de situações indesejáveis.

O que acontece é que muita gente esquece de que o sucesso de uns dias fora de casa, longe da rotina, exige alguns cuidados que, se tomados, trarão um resultado capaz de nos deixar satisfeitos, tornando uma viagem inesquecível!

E é por isso que eu quero compartilhar com você alguns conhecimentos que adquiri por meio de erros e acertos, assim como a partir da dificuldade de outras pessoas pelos lugares por onde andei. Veja só!

1. Viaje mais leve

Levar uma mala pesada ou viajar com mais de um volume dá trabalho para carregar. Ainda mais se você estiver com pressa, se a sua viagem inclui múltiplos destinos ou os deslocamentos exigirem, por exemplo, trajetos em transportes públicos. Já imaginou o esforço que você vai ter? E se quebrarem as rodinhas?

Além do que, na maioria das vezes, sua bagagem precisa ser despachada. Então, ela deverá atender às exigências das companhias aéreas.

Outra coisa é que se torna um pesadelo guardar uma mala muito grande ou volumosa em qualquer locker (armário) de hostel ou aeroporto, se você precisar. Sem contar que grandes volumes atiçam a curiosidade de eventuais maus elementos por aí.

Para ter uma mala leve e prática, confira este guia.

2. Pesquise sobre o destino

Cada país tem cidades imperdíveis, pontos turísticos e atrações mais procuradas. Visite as que puder e que mais lhe interessar. No entanto, não ignore as opções que outros turistas desconhecem. Então, estudar antes sobre o lugar que você vai visitar fará com que descubra coisas que podem tornar o seu passeio bem mais rico e interessante.

Do mesmo modo, fique atento também à cultura do local e aos costumes. Respeitando-os você será bem mais bem recebido.

Não esqueça ainda de verificar o clima no período da viagem. Muitos países enfrentam extremos climáticos em determinadas épocas do ano, o que pode arruinar as suas férias.

3. Viaje para onde se sinta bem e lhe desperte o interesse

De que adianta visitar um lugar que nada tem a ver com você, só porque todo mundo vai ou está na moda? Nada disso. Respeite a sua personalidade e seus gostos. Pense em países ou cidades que possam lhe empolgar e onde você se sinta seguro e confortável. Afinal, quem vai viajar: você ou seus amigos?

4. Compre passagens com tempo suficiente entre os voos

Antes de adquirir um bilhete de avião verifique se há conexão até chegar ao seu destino e se o tempo que você terá entre um voo e outro é suficiente.

Fazer conexão indica que você terá de trocar de aeronave e isso envolve situações como atraso no primeiro voo, fazendo com que possa perder o seguinte ou o tempo que terá de caminhar entre um portão de embarque e outro, às vezes distantes e localizados em terminais diferentes.

No caso de uma viagem internacional, pode ser que você tenha que passar pela imigração antes de seguir viagem, o que demandará filas; Fora o fato de (o que é mais raro, mas não impossível) o próximo voo sair de um aeroporto diferente.

Assim, preste muita atenção ao intervalo entre os voos. O recomendado é que, dependendo do caso, se tenha pelo menos três horas entre eles para que você tenha tranquilidade.

5. Atente para os aeroportos de chegada e de saída

Sabe aquela oferta imperdível de passagem aérea que você viu e que lhe desperta de imediato o interesse de viajar? Tarifas muito baixas geralmente estão condicionadas a horários no meio da noite ou ao embarque/desembarque em aeroportos que não são o principal de uma cidade e que podem ficar em cidades vizinhas.

Dessa forma, para não ser pego de surpresa no destino, verifique isso no momento da compra da passagem e se programe para os deslocamentos.

6. Considere a localização do hotel

Reservar um lugar para ficar que fica “perto do centro da cidade” e depois descobrir que ele é tudo menos próximo do que interessa é muito comum de acontecer.

Portanto, antes de contratar uma hospedagem, pergunte a quem já foi e leia atentamente as avaliações sobre o estabelecimento, facilmente encontradas nos sites de reserva.

7. Verifique os documentos necessários

Chegar nos pontos de entrada de um país sem os papéis solicitados pela imigração pode virar uma grande dor de cabeça. Por isso, atenção com a validade de seu passaporte (no mínimo seis meses até o retorno da viagem), procure saber se há a necessidade de visto prévio e se é preciso tomar alguma vacina. O site do Itamaraty pode ser uma boa fonte de consulta.

E embora, muitos países não peçam autorização com antecedência para liberar a sua entrada, eles podem solicitar comprovantes da sua viagem, como passagens de ida e volta, reservas de hotel ou carta-convite de quem vai lhe hospedar, assim como um seguro-saúde, este mais comum de ser exigido para a Europa.

Então, providencie tudo bem antes da data da viagem e tenha cópias impressas de cada um desses documentos, organizados em uma pasta em sua bagagem de mão, para mostrar se forem pedidos. Não confie apenas na tecnologia, simplesmente mantendo-os arquivados no celular ou no notebook.

Atente ainda para os voos com escala ou conexão. Existem países que mesmo nesses casos, quando eles não são o seu destino final, exigem visto para que você circule em seus territórios. Exemplos disso são os Estados Unidos e o Canadá.

8. Faça um seguro-viagem

Melhor prevenir do que remediar, não é? O seguro viagem auxilia durante as emergências, que não podem ser consideradas no planejamento para viajar. Afinal, extravios de mala, uma doença ou acidentes não podem ser previstos.

É claro que você não vai viajar esperando que algo aconteça, mas, se acontecer, você tem um seguro que vai cobrir os gastos com médicos, remédios, hospitais, advogados, cancelamentos, repatriação (necessária), entre outras situações.

9. Comunique ao seu banco que vai viajar

Você está em Paris se acabando em compras na Champs Elysèe e, de repente, o seu cartão de crédito é bloqueado. Ninguém merece, não é?

Então, o ideal é sempre notificar o seu banco que você está viajando, principalmente se for para o exterior, para evitar bloqueios desnecessários na sua conta por eles considerarem a transação suspeita.

10. Evite roteiros extensos

Esse é um erro clássico de muitos viajantes: criar roteiros extenuantes para colecionar carimbos no passaporte. Ou, então, simplesmente imitar uma viagem alheia que lhe causou, digamos, certa inveja. Resista! Quem tenta conhecer tudo de uma vez acaba não aproveitando nada direito.

11. Defina uma programação

Ao pesquisar sobre um destino, você de cara vai descobrir o que lhe interessa, ou não, visitar. Feito isso, resta distribuir nos dias que tem por lá o que ver e fazer. Com isso, você otimiza seu tempo e evita ficar rodando sem rumo.

Isto não quer dizer que você terá que seguir a risca esse planejamento. Porém, ficará mais fácil substituir uma atração por outra no dia em que for necessário.

12. Observe mais, fotografe menos

Lembre-se: você estará indo para o destino que sempre sonhou, portanto, faça de tudo para que essa viagem seja inesquecível. Aproveite cada momento, observe todos os detalhes para depois não ficar com a sensação de que não viu o que queria como deveria.

Isto acontece quando a pessoa passa mais tempo fotografando para se exibir nas redes sociais ou para mostrar as imagens aos amigos quando voltar.

Fora o fato de haver tirado milhares de fotos e depois deixá-las esquecidas na memória do computador ou do celular.

13. Programe os gastos diários

Infelizmente, nem todos planejam os gastos que terão durante uma viagem. Alimentação, lanche, lembrancinhas, deslocamentos, tudo deve estar previsto para que, uma vez no destino, você não deixe curtir como deveria só porque não levou o dinheiro suficiente para gastar.

14. Seja um viajante, não um turista

Eu costumo diferenciar quem viaja entre turista e viajante. Todo mundo que viaja é um turista, mas nem todo turista é um viajante. A diferença está no comportamento e na percepção que se tem com o destino.

Mais do que visitar todos os pontos turísticos e registrar o momento, o turista se transforma em viajante quando procura sentir o perfume das cidades, come um sanduíche sentado em uma praça, admira a beleza de ruas e calçadas por mais simples que sejam, busca descobrir a história do local, conversa com os habitantes, caminha pelo destino e quando cansa toma um ônibus, um trem, um bonde ou o que desejar.

Ou seja, vai além do convencional. Isso é que dá vida a uma viagem. E, para mim, não se permitir a fazer isso é o maior pecado que se pode cometer ao viajar.

Gostou das dicas? Que tal, então, compartilhar em suas redes sociais para quem mais gente fique sabendo?

E para não perder nada aqui no blog, cadastre-se na nossa Newsletter.

Sem comentários

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *